Martín Chambi

O fotógrafo de origem indígena Martín Chambi nasceu em Puno, uma das regiões mais pobres do Peru, no final do século XIX. O pai mudou-se com a família para a província de Carabaya, onde foi trabalhar numa mina de ouro. Perto dali, na mina de Santo Domingo, Chambi aprendeu os rudimentos da fotografia, decidindo assumi-la como ofício. Em 1908, foi para Arequipa, cidade em que a arte da fotografia prosperava em termos técnicos e estilísticos.

Depois de trabalhar como aprendiz de Max T. Vargas durante nove anos, Chambi montou o próprio estúdio em Sicuani. Seus primeiros cartões-postais foram publicados nesse mesmo ano, 1917. Em 1923, abriu em Cuzco um novo estúdio, fotografando tanto os compatriotas indígenas quanto as figuras importantes da sociedade.

A partir daí, fez frequentes viagens pelos Andes, onde capturou imagens impressionantes de ruínas incas, bem como a cor local das paisagens desoladas e seus habitantes. Ele conseguiu mesclar a tradição europeia, próxima da pintura, com os retratos em estúdio.

Em suas fotografias de viagem, Chambi lançou um olhar antropológico e simultaneamente terno sobre o lado mais esquecido do país – aquele habitado pelos povos de origem pré-colombiana. O uso da luz natural e seu sentido de composição engrandecem as imagens e os personagens retratados. O olhar do fotógrafo tem uma espécie de frescor pós-colonial, que impõe profundidade, magia e personalidade aos retratos de pessoas, paisagens e monumentos arqueológicos imersos na vastidão solitária dos Andes. “A magia de Chambi pulsa em suas fotografias”, escreveu Mario Vargas Llosa. “A magia que o distingue de todos os fotógrafos com quem os críticos o tentam comparar, desde August Sander a Nadar, passando por Edward Weston, Ansel Adams, Irving Penn ou ainda Abraham Guillen”. Chambi se transformou no fotógrafo símbolo do povo de língua quechua, dando voz à estranha melancolia do homem andino. “Meu povo fala através das minhas fotografias”, escreveu para uma exposição em Santiago e Viña del Mar, no Chile, em 1936.

Muitas das fotografias de Chambi permaneceram desconhecidas até sua morte, em 1973. Algumas delas ainda esperam pesquisas mais aprofundadas para virem à luz. Mas o material conhecido integra parte importante do imaginário sul-americano, como documentos poéticos, misteriosos e incisivos de um mundo desaparecido.

Veja também

Albert Frisch

Albert Frisch

Guilherme Santos

Guilherme Santos

Carlos Moskovics

Carlos Moskovics

Alberto Henschel

Alberto Henschel

Hans Gunter Flieg

Hans Gunter Flieg

Henri Ballot

Henri Ballot

Madalena Schwartz

Madalena Schwartz

José Medeiros

José Medeiros

Luciano Carneiro

Luciano Carneiro

Augusto Malta

Augusto Malta

Dulce Soares

Dulce Soares

Haruo Ohara

Haruo Ohara

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Claude Lévi-Strauss

Claude Lévi-Strauss

Alécio de Andrade

Alécio de Andrade

Rossini Perez

Rossini Perez

Horácio Coppola

Horácio Coppola

Militão Augusto de Azevedo

Militão Augusto de Azevedo

Peter Scheier

Peter Scheier

Francisco du Bocage

Francisco du Bocage

Augusto Stahl

Augusto Stahl

Juca Martins

Juca Martins

Chico Albuquerque

Chico Albuquerque

Marc Ferrez

Marc Ferrez

David Drew Zingg

David Drew Zingg

Thomaz Farkas

Thomaz Farkas

Guilherme Gaensly

Guilherme Gaensly

Stefania Bril

Stefania Bril

Revert Henrique Klumb

Revert Henrique Klumb

Otto Stupakoff

Otto Stupakoff

Lily Sverner

Lily Sverner

Hercule Florence

Hercule Florence

Marcel Gautherot

Marcel Gautherot

Hildegard Rosenthal

Hildegard Rosenthal

Alice Brill

Alice Brill

Georges Leuzinger

Georges Leuzinger

Domingos de Miranda Ribeiro

Domingos de Miranda Ribeiro