Hans Gunter Flieg

O alemão Hans Gunter Flieg, poeta do aço e do concreto, tinha 16 anos quando o recrudescimento do antissemitismo de Adolf Hitler levou sua família a migrar para São Paulo, bem a tempo de se tornar um dos principais documentadores do explosivo desenvolvimento industrial e urbanístico que transformou a cidade em meados do século XX. A partir de 1945, quando se estabeleceu no mercado como fotógrafo industrial, de publicidade e de arquitetura, e até os anos 1980, lançou um olhar rigoroso – com influências marcadas da Bauhaus e do grupo alemão Nova Objetividade – sobre instalações industriais, edifícios, interiores e objetos, tensionando muitas vezes a fronteira entre a objetividade da fotografia documental e o refinamento formal que ambiciona transformar a imagem em abstração.

Flieg começou a fotografar ainda na adolescência. Ao se mudar para o Brasil, tinha acabado de fazer um curso de técnicas de laboratório com Grete Karplus, no Museu Judaico de Berlim, e trazia na bagagem uma câmera Leica e uma Linhof. Logo arranjou emprego na área, inicialmente numa empresa de litografia e em seguida como fotógrafo de uma gráfica. Em 1945, ao abrir seu próprio estúdio, deu início a um período de quatro décadas de trabalhos comissionados para grandes empresas. Três anos depois, assinava todas as imagens do primeiro calendário fotográfico da Pirelli. Em 1951, foi o fotógrafo oficial da primeira Bienal Internacional de Arte, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1965, obteve a cidadania brasileira.

A obra de Flieg, composta por cerca de 35 mil negativos em preto e branco, foi adquirida do próprio fotógrafo pelo IMS em julho de 2006. Inclui também, como conjuntos paralelos à sua temática principal, trabalhos de documentação do patrimônio histórico e da cultura popular, realizados sobretudo para o Unicef, em 1971. Entre as grandes obras que documentou, destacam-se a do Museu de Arte de São Paulo (Masp), a do ginásio do Ibirapuera e a das usinas hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira.

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo abrigou uma retrospectiva da obra de Flieg em 1981, em cujo material de apoio destacava-se a seguinte frase do fotógrafo, que assim fazia um balanço de sua carreira: “Talvez todas as minhas fotografias reunidas contem uma história de amor – minha descoberta do Brasil”. Em 2008, o IMS participou da organização de sua primeira exposição individual na Europa, Hans Gunter Flieg: Dokumentarfotografie ous Brasilien (1940-1970) – realizada no museu Kunstsammlungen, em sua cidade natal, Chemnitz –, e do livro bilíngue (alemão e inglês) que a acompanhou.

Veja também

Domingos de Miranda Ribeiro

Domingos de Miranda Ribeiro

Georges Leuzinger

Georges Leuzinger

Augusto Malta

Augusto Malta

Carlos Moskovics

Carlos Moskovics

Thomaz Farkas

Thomaz Farkas

Claude Lévi-Strauss

Claude Lévi-Strauss

Dulce Soares

Dulce Soares

Marcel Gautherot

Marcel Gautherot

Alice Brill

Alice Brill

Militão Augusto de Azevedo

Militão Augusto de Azevedo

Vincenzo Pastore

Vincenzo Pastore

Rossini Perez

Rossini Perez

Francisco du Bocage

Francisco du Bocage

Peter Scheier

Peter Scheier

Stefania Bril

Stefania Bril

Chico Albuquerque

Chico Albuquerque

Haruo Ohara

Haruo Ohara

Horácio Coppola

Horácio Coppola

Augusto Stahl

Augusto Stahl

Alécio de Andrade

Alécio de Andrade

Juca Martins

Juca Martins

Revert Henrique Klumb

Revert Henrique Klumb

Hildegard Rosenthal

Hildegard Rosenthal

Martín Chambi

Martín Chambi

Maureen Bisilliat

Maureen Bisilliat

Albert Frisch

Albert Frisch

Lily Sverner

Lily Sverner

José Medeiros

José Medeiros

Marc Ferrez

Marc Ferrez

Madalena Schwartz

Madalena Schwartz

Henri Ballot

Henri Ballot

Guilherme Santos

Guilherme Santos

Luciano Carneiro

Luciano Carneiro

Guilherme Gaensly

Guilherme Gaensly

Alberto Henschel

Alberto Henschel

David Drew Zingg

David Drew Zingg

Hercule Florence

Hercule Florence

Otto Stupakoff

Otto Stupakoff